ADECOL – Indústria química registra crescimento de faturamento e volume no 1º semestre de 2016

Líder de mercado em adesivos industriais, Adecol mantém crescimento interno em torno de 20% e duplica exportações no 1o semestre 2016. Já indústria química como um todo tem uma leve alta e gera boas expectativas a curto e médio prazo, aponta levantamento da Abiquim

Um dos setores mais afetados pela crise brasileira, a indústria começa a dar indícios de que em breve pode retomar seu equilíbrio e até almejar um crescimento para um futuro próximo. Mesmo tendo mantido seu crescimento em torno de 20% ao ano durante a crise, a Adecol tem novos motivos para comemorar: o crescimento das exportações e a retomada de diversos setores industriais, aumentando sua demanda interna por produtos.

A empresa que fechou recentemente seu balanço para o 1o semestre de 2016 registrou um aumento de 24,43% em faturamento e 5,41% em volume em comparação ao mesmo período de 2015. O crescimento de 24,43% está um pouco superior aos 20% que a empresa vem crescendo anualmente. Com a performance a empresa projeta fechar 2016 com faturamento de R$150 milhões, um crescimento de R$ 20 milhões perante 2015.

Faturamento Adecol

jun/15 x jun/16 Crescimento 23,35%
1º sem/15 x 1º sem/16 Crescimento 24,43%

Volume Adecol (kg)

jun/15 x jun/16 Crescimento 17,28%
1º sem/15 x 1º sem/16 Crescimento 5,41%

A performance da Adecol ainda é uma exceção no mercado químico, porém o aumento registrado pela Abiquim (Associação Brasileira da Indústria Química) das importações no setor químico como um todo demonstra como efeito colateral a retomada de diversos outras setores industriais após um tenebroso período de retrações.

Segundo a Abiquim, no período de janeiro a maio de 2016 a quantidade importada de produtos químicos de 13,8 milhões de toneladas, aumento de 9,8%, na comparação com o acumulado entre janeiro e maio de 2015. Já as exportações de produtos químicos movimentaram 6,8 milhões de toneladas de janeiro a maio de 2016, crescimento de 11,3% em relação ao acumulado de janeiro a maio de 2015.

Os dois índices são fundamentais para o desempenho de um terceiro índice: a queda do déficit acumulado da balança comercial de produtos químicos, que demonstra claramente os impactos do baixo desempenho da atividade econômica nacional nos primeiros meses do ano.

A conclusão é que o mercado interno vem retomando participação como apontam alguns indicadores, porém este crescimento tem como alicerce as exportações.

Indústria química (volume/ toneladas) / Comparativo Jan-Mai 2015 x Jan-Maio 2016

Importações (jan – mai 2016) 13,8 milhões / crescimento 9,8%
Exportações (jan – mai 2016) 6,8 milhões/ crescimento 11,3%

 

Estratégia: exportações + inovações

A dupla exportações e inovações são os pilares da estratégia de ação da Adecol e os pilares que diferenciam a empresa no cenário econômico do País. Atualmente a empresa está agindo com determinação em sua internacionalização na América Latina. “Ano passado fizemos o projeto de internacionalização e em 2016 arregaçamos de vez as mangas para nos estabelecer na América Latina. O resultado disso é que dobramos nosso faturamento em exportações.

Estamos com representantes em todos os países do bloco e já contamos com ótimos resultados na Bolívia e no Chile. Para conquistar a América Latina não estamos medindo esforços, fomos até a Alemanha”, conta Ana Júlia Kiss, diretora de produção da Adecol, referindo-se à presença da empresa em grandes eventos internacionais como a Dupra, maior feira da indústria gráfica no mundo e que acontece na Alemanha.

Parte fundamental do DNA da Adecol, as inovações permanecem como carro-chefe da empresa, que investe 5% de tudo o que fatura em pesquisa e desenvolvimento. Antenada, a empresa atua para o Mercado interno, porem vem firmando parceria com gigantes multinacionais para o desenvolvimento de produtos em conjunto.

“Em outubro viajaremos novamente para a Europa para apresentar principalmente ao Mercado latino um produto que desenvolvemos com a gigante multinacional Dow Chemical e que foi escolhido por ela como case a ser destacado para o Mercado mundial”, comemora Ana Julia.

O que diz a FIESP, a FGV e o Ministério da Fazenda

Segundo Paulo Francini, diretor do Departamento de Pesquisas de Estudos Econômicos da Fiesp, atualmente já se nota uma redução no ritmo de queda da indústria e embora a entidade considere 2016 mais um ano perdido, a performance do 1º semestre do ano e as expectativas para os próximos meses corroboram para a retomada do setor em 2017. “A reversão da atividade econômica está se aproximando”, diz Francini.

Outro indicador de melhora do setor é o aumento do índice de confiança da indústria, catalizado pela redução do risco fiscal e retomada das exportações. Um bom exemplo da redução do risco fiscal foi o desempenho do PIB brasileiro no 1o trimestre de 2016. A expectativa de queda era de 0,8%, porém o País fechou o período com uma queda bem menor, de 0,3%.

Segundo a Fundação Getúlio Vargas, o ICI (Índice de Confiança da Indústria) de junho atingiu o maior nível desde fevereiro de 2015, alcançando 83,4 pontos, subindo 4,2 pontos, num movimento traduzido pela FGV como “redução do pessimismo”.

Ainda de acordo com a FGV, entre maio e junho, o percentual de empresas prevendo reduzir a produção nos meses seguintes diminuiu de 28,7% para 16,0% do total, enquanto a parcela de empresas que espera aumentar a produção passou de 23,4% para 24,2%

Apesar do cenário menos turbulento, antigas reivindicações da FIESP se mantêm principalmente as que fazem parte do denominado “Custo Brasil”, que impedem a competitividade da indústria brasileira no mundo. São eles tributação, custo de capital de giro, de energia e matérias-primas, infraestrutura e taxa de câmbio, entre outros.

Fonte: Assessoria de imprensa / Errata 29 de junho de 2016