Com a palavra, Steve Kenny

Download PDF
Em recente entrevista à revista Móbile Fornecedores – o vice-presidente de mercados emergentes da H.B. FullerSteve Kenny, falou sobre a decisão de escolher o Brasil como país para desenvolver e ampliar as tecnologias em adesivos industriais.

O destaque ficou para o mercado moveleiro, que segundo Kenny, é um segmento chave para os negócios.

 


MÓBILE FORNECEDORES
: O que motivou a ideia de expandir a atuação da H.B. Fuller no mercado brasileiro?

Steve Kenny: A H.B. Fuller Company tem como parte de seu plano estratégico a solidificação e a expansão da presença nos principais mercados emergentes. A atratividade de longo prazo e a importância estratégica do mercado brasileiro, acrescidas do evidente potencial da Adecol, levaram a multinacional H.B. Fuller a investir na compra. As estimativas do consumo mundial de adesivos em 2014 giraram em torno de US$ 40 bilhões, devendo alcançar os US$ 45 bilhões em 2019. Várias fontes ao redor do mundo indicam crescimento anual na ordem de 3% a 5% até 2019. O mercado brasileiro de adesivos, que segundo a Abiquim [Associação Brasileira da Indústria Química] fechou 2015 com volume de negócios de R$ 2,6 bilhões.

 

FORNECEDORES: Por que a expansão da H.B. Fuller no Brasil se deu com a compra de uma fabricante brasileira? O que motivou a compra da Adecol?

Kenny: A inclusão da empresa com sede em Guarulhos (SP), ajuda na estratégia de crescimento da H.B. Fuller para mercados emergentes. Isso permitirá que alavanquemos integralmente o abrangente portfólio, em termos de tecnologias, e forneça com mais eficácia produtos adesivos especiais aos clientes-chave na região do Mercosul. Com a aquisição, ganhamos uma equipe dedicada e sólidos relacionamentos com clientes e recursos locais de fabricação. Estamos trabalhando alinhado à equipe da Adecol para um aumento ainda maior das parcerias junto aos clientes regionais, além do desenvolvimento, produção e venda de novos e melhores produtos nessa região estrategicamente importante.

 

FORNECEDORES: Quais são os planos de ação da empresa para 2018? Há planejamentos em inovações e tecnologias?

Kenny: Para o primeiro semestre de 2018, a empresa estará focada no benefício de oferecer a seus clientes todo e qualquer tipo de adesivo para aplicações e indústrias graças à integração de portfólios. Para os compradores das indústrias, ter um fornecedor de adesivos que reúna as melhores soluções do mercado, com atendimento personalizado e logística multinacional é um diferencial único da H.B. Fuller no Brasil, principalmente agora com a compra da Adecol.

 

FORNECEDORES: Posteriormente, a empresa pensa em expandir a unidade fabril em Guarulhos (SP)? Haverá, também, a intenção de estabelecer outras sedes no País ou adquirir outras marcas no futuro?

Kenny: No momento, estamos focando na ampliação da planta de Guarulhos e na inauguração do novo “Tech Center”, também em Guarulhos (a 800 metros da planta atual). Em princípio, todos os esforços estão concentrados nesses dois projetos.  Quanto a novas aquisições, a H.B. Fuller tem traçado uma estratégia de incorporar à empresa marcas-chaves, como foi o caso da Adecol. Se for previsto comprar novas marcas, isso será discutido e avaliado para que seja parte da estratégia de expansão.

 

FORNECEDORES: A H.B. Fuller manterá a marca Adecol ou trocará todos os produtos para a marca americana? Qual será o posicionamento no setor moveleiro?

Kenny: A marca Adecol permanecerá, até porque faz parte da estratégia da H.B. Fuller aproveitar a força que a marca representa hoje no mercado brasileiro. Para o mercado moveleiro, a ideia é aproveitar produtos já consolidados no portfólio da Adecol e produtos consolidados na H.B. Fuller. Estamos fazendo um trabalho para unificar formulações de ambas as empresas que sejam semelhantes, com o objetivo de deixar um portfólio robusto e com o melhor de cada empresa.

 

FORNECEDORES: Com o rol de produtos da H.B. Fuller, serão feitos lançamentos de novos produtos para o setor moveleiro? O que a indústria moveleira pode esperar nesse sentido?

Kenny: Sim. O mercado moveleiro é um segmento-chave para nós. É importante lembrar também que a participação da marca Rakoll nos ajudará muito nesse setor pois, dessa forma, conseguimos compreender as exigências únicas que os fabricantes de produtos de madeira devem abordar, incluindo desafios ambientais como temperatura e umidade e inovação em acabamento que beneficia os usuários finais com produtos de madeira de alta qualidade e alto desempenho.

 


FORNECEDORES
: Como a empresa avalia o estado atual do mercado de adesivos e colas para o setor moveleiro no Brasil?

Kenny: É um mercado que necessita atenção especial por conta das particularidades que oferece. Um simples fator de clima pode ser crucial na hora de escolher um adesivo que ofereça 100% de desempenho. Por isso, é preciso atenção e conhecimento técnico para a indicação do adesivo ideal. O mercado moveleiro, assim como outros, passa por constante evolução e está exigindo móveis mais duradouros e, consequentemente, precisamos oferecer adesivos que atendam essa demanda. Temos uma grande mudança de adesivos hotmelt para tecnologia de PUR, entre outros. Além disso, temos adesivos que substituem tecnologias antigas, como EPI e Formol, que substituímos com adesivos D3 e D4. A H.B. Fuller já realizou várias aquisições e com a Adecol conseguimos identificar e entender a demanda para atender exatamente o que o mercado moveleiro brasileiro precisa.


FORNECEDORES
: Qual é a expectativa da H.B. Fuller no mercado de adesivos para o setor moveleiro nos próximos anos?

Kenny: Queremos aumentar nossa participação de mercado. Já temos programado participações em eventos para estar mais próximo e apresentar soluções para madeira. O mercado de adesivos para o setor moveleiro é estrategicamente importante. O Brasil é o maior mercado na América Latina, consome 58% do volume da região. Com a aquisição da Adecol, aumentamos a qualidade da entrega aos clientes, uma vez que conseguiremos fornecer uma maior variedade de soluções, incluindo uma linha de produtos mais ampla, menores tempos de serviço e mais suporte de atendimento.

Texto extraído da Revista Móbile Fornecedores – Edição 284 (p. 16, 17), matéria de Ricardo Heidegger. Clique aqui e veja o conteúdo na íntegra.

Confira a gente também no Facebook e Linkedin!